fbpx
logo-redfox-digital
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Medicamentos

Medicamentos: microdispositivo melhora eficiência dos fármacos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Recentemente pesquisadores da Universidade da Califórnia em San Diego fizeram avanços significativos que podem contribuir para melhorar a eficiência dos medicamentos.

Embora tenhamos abundância de remédios para problemas distintos de saúde, muitos não surtem o efeito esperado e alguns até provam-se prejudiciais à saúde.

Em geral, a maioria dos medicamentos é diluída no corpo pelos fluidos antes mesmo de atingir o local desejado. Entretanto, se houvesse um jeito de levar a droga diretamente ao local do tratamento, essas perdas poderiam ser facilmente evitadas.

Por isso, os pesquisadores desenvolveram uma armadilha química autopropulsora capaz de encontrar e matar patógenos. Veja a seguir como funciona essa armadilha química e como ela pode melhorar a eficiência dos medicamentos.

Como funciona a armadilha química autopropulsora?

Essa armadilha libera sequencialmente produtos químicos de um recipiente como um microdispositivo autônomo.

O núcleo do dispositivo contém um mecanismo de metal feito de esferas de magnésio, revestido por várias camadas de polímero, cada qual com a sua função.

Assim, quando o dispositivo entra em contato com um ambiente ácido ele é impulsionado para frente, pois o grânulo de magnésio reage ao entrar em contato com o ácido e produz bolhas de hidrogênio que o empurra para o local desejado, como o revestimento do estômago, por exemplo.

Depois disso, o motor de magnésio se dissolve, deixando para trás uma estrutura oca, como um saco, sendo trinta vezes o tamanho de uma bactéria.

E é justamente essa espécie de bolsa, a armadilha criada pelos pesquisadores, que atrai as bactérias para dentro e, assim que a armadilha entra em contato com o alvo, ela se transforma em uma prisão tóxica.

As “paredes” internas da armadilha são feitas de um polímero solúvel em ácido que incorpora o aminoácido serina. 

Como a serina indica comida para a bactéria intestinal chamada Escherichia Coli, a liberação dela faz com que a bactéria se mova na direção da armadilha, através de um processo chamado quimiotaxia.

Então, durante a etapa final, a camada de polímero se dissolve e libera vários íons que matam as bactérias.

Sendo assim, podemos afirmar que este método criado pelos pesquisadores da Universidade de Califórnia em San Diego, aumenta a eficiência da entrega do fármaco.

E isso faz com que não só os medicamentos funcionem melhor, mas também abre possibilidades para estabelecer comunicações químicas entre micronadadores sintéticos e microorganismos móveis.

Além disso, com seu potencial de expansão para outros domínios médicos relevantes, é provável que esse projeto seja submetido a mais pesquisas ou até mesmo comercializado em breve.


Leia também

Quer a RedFox acelerando o crescimento da sua empresa?

conteúdos mais recentes

Keep Learning

Posts Relacionados

Stay tuned

Já pensou em receber nossos conteúdos no seu email?

Receba semanalmente conteúdos exclusivos sobre inovação, transformação digital e tecnologia.