O que é transformação digital e qual o impacto no seu negócio?

O que é transformação digital?

Você sabe o que é transformação digital? Muitas pessoas acreditam que ela é um bicho de 7 cabeças e tendem a confundi-la com digitalização. Na minha jornada como empreendedora, vejo que muito disso se deve à falta de compreensão sobre o termo.

A transformação digital é o processo pelo qual as empresas passam a resolver problemas complexos por meio da tecnologia. Nesse contexto, apesar da relevância da implantação de ferramentas digitais para alcançar resultados mais sustentáveis, é impossível atingir esse objetivo só com isso.

Ou seja: mais do que simplesmente aplicar tecnologia, acredito que transformação digital se trata de uma maneira de repensar os processos gerando valor para a organização, adequando-se às reais necessidades.

Se as soluções digitais não forem aplicadas com um objetivo de resolução de problemas, a transformação digital pode fracassar, já que deixa de suprir uma demanda específica. Por isso, saber com clareza o que é transformação digital e os benefícios dela é o primeiro passo para obter sucesso nas mudanças.

Quais vantagens a transformação digital traz para uma empresa?

A transformação digital se tornou sinônimo de diferenciação e vantagem competitiva. Com a melhoria dos processos a partir de tecnologia, uma empresa pode se destacar na oferta de melhores serviços, reforçando a imagem no mercado.

Mas os benefícios vão além. Tornar os processos ágeis, com foco no cliente, proporciona melhorias significativas, como:

1) impacto direto nas vendas – a melhor experiência para o cliente normalmente traz uma maior satisfação e este sentimento pode ser percebido diretamente no aumento das vendas, pois essa experiência tende a se tornar um diferencial competitivo diante dos demais concorrentes.

2) aumento da produtividade – a redução de processos operacionais manuais simplifica as atividades e trazem mais resultados, promovendo uma evolução do modelo de negócios;

3) redução de custos – a automação das atividades diminui a necessidade de pessoas nos processos, bem como traz a própria aceleração da produtividade, levando à economia de recursos.

Qual é o impacto da transformação digital na sua empresa?

A transformação digital precisa ser aplicada com objetivos muito claros e alinhada à estratégia da organização. Além disso, um fator de sucesso de extrema importância e que muitas vezes é negligenciado durante um processo de TD são as pessoas e a cultura da empresa.

Eu entendo que a cultura precisa estar muito alinhada com a estratégia da organização para que a TD funcione de maneira efetiva. Vemos muitas empresas fracassarem justamente por isso.

A melhor forma de incentivo é fazer com que as pessoas se tornem parte do processo de transformação e tenham voz ativa na sugestão para resolver problemas. Digo isso porque, muitas vezes, os executivos se esquecem de envolver o time operacional no desenho de uma nova solução.

Isso gera problemas enormes, desde a baixa adesão entre a equipe até uma falta de entendimento correto dos gargalos, o que leva à implantação de uma ferramenta que não elimina de fato as dores da empresa.

As áreas devem funcionar juntas para que todos os processos funcionem da maneira correta. Então, se você inserir uma tecnologia de maneira isolada em um departamento sem olhar o impacto que aquilo pode gerar nos demais, vai dar um tiro no pé.

Há muitos casos que buscam aplicar a tecnologia em cima dos processos atuais, sem olhar como eles podem ser melhorados. Nesse caso, a empresa não está fazendo TD, mas sim digitalização. Este é um erro muito comum nas grandes organizações.

Então como aplicar a transformação digital corretamente?

Se você considerar o cenário que eu desenhei até aqui sobre o que é transformação digital, já tem uma boa margem para aplicá-la na sua empresa. Mas eu enxergo 3 alavancas fundamentais para as ações:

1) melhoria da experiência do cliente – as ferramentas de UX ajudam a proporcionar mais conforto e qualidade na forma como o público interage com um produto;

2) desenvolvimento de soluções – elas precisam ser criadas de forma que realmente gerem novas linhas de receitas, tendo um propósito dentro da organização ;

3) e melhoria de processos – as mudanças devem fazer sentido para a evolução do trabalho e da produtividade, resolvendo problemas que a equipe tem dificuldade em lidar.

Ao atuar nessas frentes, uma empresa tem mais chances de aumentar o potencial de competitividade e aplicar uma transformação digital com sucesso. Agora que você já sabe o que é transformação digital, vamos conversar sobre as necessidades da sua empresa?

*Artigo originalmente escrito para o Linkedin por Isabela Abreu.t

O que é telemedicina e quais são as vantagens para o setor da saúde

telemedicina

Vamos falar sobre o que é telemedicina? Podemos dizer que o conceito se trata de uma revolução na área da saúde, tpromovendo a democratização do cuidado a partir de tecnologias de telecomunicação e informação.

Essa modalidade de atendimento não só permite um maior engajamento entre médico e paciente como também promove a expansão da medicina para áreas de difícil acesso. Não é exatamente uma novidade no mercado, mas só agora passa a ser uma tendência promissora.

No Brasil, a telemedicina busca ampliar o impacto, com discussões sobre a regulamentação e como ela deve ser aplicada. Algumas instituições já passaram a usá-la, mas é importante que todo o setor esteja alinhado com o conceito desde já, entendendo os benefícios para a gestão hospitalar.

Separamos a seguir vantagens e expectativas da telemedicina para os serviços de saúde!

Tratamentos rápidos

Com as tecnologias de teleconferência, o paciente pode receber acompanhamento e cuidado à distância, permitindo que o médico participe mais do seu dia a dia. As vantagens vão desde um atendimento mais rápido e a redução da jornada do paciente até o aumento do número de acolhimentos para as instituições.

Maior inclusão a pacientes com necessidades

A telemedicina traz um aspecto inclusivo interessante para o atendimento de pacientes com necessidades especiais. Pessoas com problemas físicos, como cadeirantes, têm mais dificuldade para se locomover e o cuidado à distância reduz os esforços de terem que ir até o médico. Já para a instituição, essa característica agrega valor competitivo e melhora a logística hospitalar.

Democratização do acesso

Na democratização do acesso, podemos considerar a questão da expansão do conhecimento para as regiões de difícil acesso. Os hospitais nesses lugares costumam ter infraestrutura mais precária e poucos recursos tecnológicos, pois os recursos demoram a chegar.

A partir do contato à distância com outras instituições, os médicos de locais distantes conseguem acesso a serviços e informações que não poderiam proporcionar aos pacientes.

Promoção da prevenção

Se a telemedicina favorece o tratamento de doenças, é também um ponto importante para a disrupção do sistema de saúde, trazendo oportunidades para aumentar esforços na prevenção.

O médico consegue usar as ferramentas para executar um trabalho de conscientização, com dicas de hábitos saudáveis e rotinas que ajudam a prevenir doenças. A tendência para o futuro é uma medicina mais voltada para a boa saúde do que para o tratamento de doenças em si.

Auxílio a diagnósticos e compartilhamento de informações entre médicos

A telemedicina permite que os médicos e outros profissionais de saúde compartilhem conhecimento por meio digital. As vantagens se encaixam tanto em serviços de atendimento como para compartilhar informações entre profissionais.

É possível solicitar apoio de especialistas para diagnósticos mais precisos, discutir casos clínicos, trocar informações e serviços entre instituições, capacitar profissionais à distância e até realizar procedimentos com a supervisão de um médico via monitor.

Redução de custos

No sentido financeiro, essa é uma vantagem muito relevante da telemedicina. É só pensar na economia em equipamentos, mão de obra, custos de deslocamento para viagens e conferências etc.

Todas essas vantagens ajudam a entender o que é telemedicina e por que o mercado deve ficar atento para a tendência. Como complemento, fizemos uma entrevista com o Dr. Chao Lung Wen, que fala mais sobre o conceito. Veja a seguir!

Kleber Fernandes (CRF-SP) explica desafios tecnológicos para o transporte de medicamentos

transporte de medicamentos

Se você acompanha o nosso blog com frequência, já deve ter visto a nossa série “Transformação digital na saúde”. No terceiro episódio, a RedFox conversa com Kleber dos Santos Fernandes, coordenador de Transportes e Distribuição do Conselho Regional de Farmácia de São Paulo (CRF-SP), sobre o uso de tecnologia no transporte de medicamentos.

O setor busca as inovações para resolver questões importantes na logística farmacêutica, como aponta Fernandes. “Se eu tivesse que fazer uma lista de desafios, escolheria a temperatura no transporte e distribuição, a logística reversa de produtos pós-consumo e a rastreabilidade”.

Vamos entender como esses tópicos se relacionam com a tecnologia para transporte de medicamentos?

Temperatura dos medicamentos

A qualidade dos medicamentos depende muito da manutenção de suas propriedades químicas.  Itens como a iluminação e a umidade no transporte são pontos que afetam a sensibilidade desses produtos, mas são fáceis de contornar. Já a temperatura exige uma atenção especial.

“Hoje se trabalha com caminhão refrigerado, que controla a temperatura de maneira muito simples. Temos também caixas térmicas de excelente qualidade para a cadeia fria de 2 a 8 ºC, como as vacinas. O grande desafio é a temperatura entre 25 a 30 ºC no transporte”, afirma Fernandes.

Para ele, o cuidado térmico é uma tendência nas preocupações de logística farmacêutica. O mercado já conta com soluções para manter a qualidade no transporte de medicamentos, como softwares e sensores para monitorar e controlar a temperatura à distância. Nesses sistemas, as notificações podem ser acessadas via smartphone.

Porém, o coordenador de Transportes e Distribuição do CRF-SP ainda enxerga um problema nesse cenário. “Temos sensores integrados a um web service que permitem monitorar a temperatura através de iscas ou data logs nos caminhões ou nas cargas. Temos também equipamentos refrigerantes muito bons pra tecnologia integrada nos veículos, mas isso tudo ainda é muito caro”.

Ou seja: os esforços em relação à temperatura precisam focar em encontrar formas acessíveis de realizar um transporte de medicamentos apropriado às propriedades químicas.

Logística reversa de produtos

A logística reversa é responsável por retornar os medicamentos não utilizados pelos usuários de forma consciente. Há campanhas de conscientização para que eles não sejam depositados no lixo comum, mas elas não são suficientes.

Kleber ressalta inclusive a existência da Política Nacional de Resíduos Sólidos para combater os problemas ambientais, sociais e econômicos decorrentes dos depósitos de materiais. Porém, a questão dos remédios ainda está solta.

“A 12.305/10 é uma lei de 2010. Cada estado atua de forma distinta, mas não temos um programa nacional de recolhimento de medicamento pós-consumo. O consumidor descarta as caixas no lixo comum. Um desafio que temos é criar um programa de logística reversa estruturado de conscientização para que as pessoas não descartem o medicamento em qualquer local.”, contextualiza.

Fernandes enxerga um campo com muito potencial para ser explorado no tocante à tecnologia. Para ele, o mercado farmacêutico tem potencial para propor soluções inteligentes que incentivam a prática da logística reversa, mas ainda não se moveu como deveria.

“Não existe tecnologia para isso ainda. A logística reversa é uma folha em branco, com um campo vasto pra ser explorado. Essa é uma boa oportunidade para os profissionais da área farmacêutica”, opina.

Rastreio de produtos

O último ponto que Kleber explora é o rastreio no transporte de medicamentos. Existe uma necessidade de identificar a localização dos produtos ao longo da cadeia logística, desde a obtenção da matéria-prima até a chegada ao consumidor final.

“Dentro do segmento farmacêutico, a rastreabilidade dos dados é o que tem mais foco nas discussões. Saber como e onde o medicamento está na cadeia é um desafio muito interessante. A gestão da informação, a captura de dados e a rastreabilidade são as principais tendências na transformação digital”, ele aponta.

Segundo Fernandes, o processo tecnológico esbarra com força na questão da localização e das condições dos medicamentos. A informação precisa ser compartilhada com a vigilância sanitária, com os fabricantes e com os órgãos reguladores.

Com isso, a logística começa a investir na estratégia de serialização dos produtos para facilitar a identificação. “Uma caixa de medicamento que sai da indústria vai ter o seu lote e cada unidade vai ser serializada. A gente vai saber exatamente qual foi a unidade que chegou para o consumidor. Isso é um projeto muito robusto, mas já há várias empresas com soluções e tecnologias para fazer isso. Mais de 50 países no mundo trabalham com serialização de medicamentos e o Brasil também está caminhando para isso”, diz Kleber.

A expectativa é que o processo de serialização favoreça a produtividade do setor. E esse ponto será muito importante para a questão da economia, como contextualiza Fernandes.

“Se eu conseguir ler todos os seriais, não vou ter nenhuma perda de rastreabilidade.  Mas empresas que não investem em tecnologia talvez tenham que ler a caixa, seja na unidade ou na full Box. Assim, eu posso ter uma perda de produtividade e isso reverte no bolso do próprio consumidor”.

Os três tópicos abrem portas para resolvem os entraves do transporte de medicamentos a partir de tecnologia. Se você se interessou pelo assunto, pode ver a entrevista completa com Kleber Fernandes no vídeo a seguir!

Por que escolher a RedFox como sua empresa de transformação digital em instituições de saúde

Como escolher uma empresa para a transformação digital de sua instituição de saúde? O primeiro passo é garantir a parceria de uma equipe especializada na área e que acompanha de perto os grandes desafios do mercado. Nesse quesito, a RedFox é sinônimo de excelência e qualidade!

Para se tornar referência em um setor tão amplo, é fundamental estar em sintonia com as novidades e insights sobre tudo que representa a modernidade na medicina.

O #teamred está sempre atento a esse cenário ao participar de eventos, reuniões, palestras, congressos e muito mais.

Quer saber por quê você deve escolher a RedFox como a sua empresa de transformação digital? Confira alguns motivos a seguir!

Conhecimento especializado em saúde

A RedFox procura estar sempre atenta às tendências de mercado, acompanhando as novidades nos países mais avançados em questão de saúde.

Para levar inovação e disrupção tecnológica aos clientes, a empresa está atenta ao que fazem os principais atores do mercado e busca assimilar esse conhecimento agregado para sua equipe.

Além disso, a RedFox está presente nos eventos da área de Saúde, seja como expositora ou congressista, levando sua expertise e explorando os principais desafios do setor. Veja um vídeo com a CEO da companhia, Isabela Abreu, sobre a participação no evento Telemedicine Summit 2019 e alguns insights sobre a nossa expertise.

Equipe altamente capacitada

O #teamred é capacitado para desenvolver as melhores soluções do mercado, contando com colaboradores que buscam aprimoramento constante para acompanhar as novas tecnologias.

Para atingir esse objetivo, uma prática interna da empresa é a divulgação cursos, hackathons, eventos e muito mais, principalmente na área de saúde. “O nosso ecossistema é extremamente receptivo e fazemos com que os novos colaboradores se sintam em casa, integrando a equipe com a mesma sintonia que buscamos desenvolver com nossos clientes”, explica Isabela.

Soluções personalizadas para a sua demanda

Para atender às demandas do setor de saúde, não basta fornecer insumos generalizados. As soluções digitais da RedFox são desenvolvidas com o cuidado para atender as especificidades de cada cliente.

A companhia trabalha sempre em contato com os líderes dos projetos em cada instituição para entender as necessidades e como podemos contribuir para a melhoria dos processos.

A ideia é trabalhar com metodologias que integram um trabalho em conjunto para acelerar a produção e garantir a satisfação constante no relacionamento.

Um dos frutos desse modelo de atuação é o GoShift, que eleva a eficiência da gestão de escalas. “Nossos produtos atendem demandas com um toque de personalização e eficiência”, evidencia.

Confiança entre os melhores

Uma empresa de transformação digital que se estabelece como referência no mercado precisa ter um portfólio admirável. O trabalho de qualidade da RedFox já ganhou o respeito de instituições renomadas do mercado, como grandes laboratórios e hospitais.

Trabalhamos para levar disrupção a fortes atuantes na busca do aprimoramento da saúde brasileira, consagrados por entregar medicina de qualidade.

Convencido de que a RedFox é a empresa de transformação digital ideal para mudar os processos da sua instituição de saúde? Então entre em contato com o #teamred e agende uma conversa sobre as suas demandas!

A transformação digital da Saúde no Brasil

transformação digital na saúde

A CEO da RedFox Soluções Digitais, Isabela Abreu, define a transformação digital como uma forma de “olhar a organização como um todo, revisitar os processos e, ao mesmo tempo, aplicar a tecnologia nesses processos. Não necessariamente só colocar a tecnologia nos processos atuais, mas repensar a forma como ela é hoje e pensar de uma forma completamente diferente para transformar aquilo de maneira digital, muitas vezes inclusive mudando a cultura”.

Na medicina, esse contexto se encaixa perfeitamente com as necessidades das organizações, visto que muito se fala em automatizar os processos administrativos e as ferramentas utilizadas pelos médicos.

Mas quais são os desafios da transformação digital na saúde no nosso país? Como esse processo deve ser feito e o que já está em andamento? Confira a seguir!

Planilha para gestão de escalas

 Os desafios da transformação digital na saúde no Brasil

Um dos principais desafios da transformação digital na saúde é atrair mais atenção para o assunto. As necessidades do mercado estão cada vez mais visíveis e há muito espaço para o setor crescer, mas ainda existem barreiras, como as questões regulatórias.

“O ambiente regulatório da saúde é muito forte, então qualquer mudança que seja feita precisa de uma série de aprovações. Em Saúde, a gente fala de vidas, de pessoas”, explica a CEO da RedFox. Ela acredita que as discussões para implantar mudanças na medicina são muito importantes nesse sentido e deve-se tomar cuidado para não por a vida dos pacientes em risco.

Outra questão importante é a busca por mais eficiência operacional, gerando oportunidades para aumentar receitas, melhorar o engajamento de pacientes e aumentar a produtividade da equipe. O desenvolvimento de soluções digitais para evoluir esses pontos é parte fundamental do processo de transformação digital.

Isabela aponta que esse desenvolvimento deve ser bem planejado. “Não adianta pegar um processo e aplicar a tecnologia. Isso pode aumentar o problema que tem hoje. A ideia é olhar o procedimento e ver como fazer, parar e pensar como eu posso fazer esse processo de maneira diferente que aumente a produtividade, gere ganho efetivo para a organização. Ao aplicar tecnologia, você ganha agilidade, consegue automatizar processos”.

Como aplicar a transformação digital na saúde

Como a transformação digital na saúde é um processo que exige cautela, uma empresa precisa analisar as suas reais necessidades antes de simplesmente implantar novas tecnologias. Isso exige que haja uma personalização das soluções, já que cada instituição tem contextos, públicos e realidades diferentes.

Por trabalhar com soluções digitais, Isabela tem uma visão bem clara sobre como esse caminho deve ser trilhado. Na RedfFox, muitos clientes vêm da área da saúde e a implementação das ferramentas é desenvolvida de forma planejada.

“Em nenhuma empresa, cabe a mesma solução para outras. É claro que depende do nível de maturidade entre elas e a infraestrutura conta bastante, porque, quando a gente fala de mudança e transformação digital, a gente fala não só de pessoas e culturas, mas também de processos. Os processos precisam ser mais ágeis e a empresa precisa estar preparada em questão de tecnologia, principalmente, pra pensar diferente”, ela explica.

Enquanto existem soluções que se encaixam em várias instituições simultaneamente, é preciso analisar a viabilidade para cada caso, entendendo os processos individuais de uma empresa. Se necessário, soluções prontas podem ser contratadas de forma personalizada. A equipe de desenvolvimento é capaz de moldar um produto já pronto para adaptá-lo aos negócios do cliente.

Novos caminhos da medicina no Brasil

Ainda há muitos profissionais e instituições que estão fechados para a transformação digital, mas esse processo não pode ser evitado por muito tempo. Com tantas inovações e soluções em desenvolvimento no mercado, a medicina tradicional vai precisar se mexer e evoluir.

O Brasil já começa a receber atualizações de acordo com as novidades no exterior e, mais do que isso, já está inserido na produção de tecnologia. A FIAP, por exemplo, tem vários projetos em andamento, incentivando os próprios alunos a inovar e desenvolver tecnologias que são apresentadas anualmente no festival NEXT.

Algumas soluções disponíveis no mercado já permitem realizar agendamentos digitais e exames por dispositivos wearable. A teleconsulta é outra inovação que tem muito potencial, permitindo o acompanhamento à distância por meio dos dispositivos inteligentes.

Quer mais insights sobre a transformação digital na saúde? Confira a entrevista completa com Isabela Abreu a seguir!

Entenda como a transformação digital revoluciona a administração hospitalar

A transformação digital se tornou a base para os processos de qualquer empresa e a administração hospitalar também tem muito a ganhar com as aplicação de tecnologias.

Desde o aumento de qualidade no atendimento até o melhor aproveitamento de recursos e pessoal, as soluções digitais são ferramentas estratégicas para evoluir a gestão das instituições de saúde.

No Brasil, muitos pacientes sofrem com atendimentos precários e a falta de planejamento de hospitais, bem como carência de medicamentos e aparelhos. Esse problema estrutural faz parte dos desafios que os setores administrativos tanto lutam para corrigir.

O papel da transformação digital nesse cenário é trazer as ferramentas necessárias para evoluir a qualidade dos serviços, influenciando em todos os setores hospitalares. A revolução dos processos de gestão tem impacto direto na instituição como unidade, pois é o setor administrativo que cuida dos demais processos.

Entenda a seguir alguns desafios da administração hospitalar que a evolução tecnológica ajuda a superar!

Redução de custos

O setor administrativo deve trabalhar em conjunto com as demais áreas para melhorar as necessidades e garantir o melhor aproveitamento dos recursos do hospital. Trabalhar com planilhas e sistemas ultrapassados coloca empecilhos para acompanhar as informações devidamente, o que justifica uma evolução do processo de transformação digital.

Alguns problemas que sistemas e softwares podem resolver são a má administração dos medicamentos e a falta de controle dos equipamentos. Enquanto muitos remédios são desperdiçados nas instituições hospitalares, equipamentos antigos e com problemas geram altos custos de manutenção. Uma melhor administração de informações como essas pode ajudar a reduzir os custos internos.

Evolução da qualidade de serviço

O atendimento em um hospital é a atividade central da instituição, já que é o médico que precisa tratar o paciente. Só que, para que ele consiga realizar um trabalho de qualidade, precisa de uma série de ferramentas de apoio.

Acompanhar o fornecimento de equipamentos e tecnologias é responsabilidade da equipe administrativa. A gestão de escalas também se encaixa no desafio de melhorar a qualidade de atendimento, já que é fundamental garantir a presença dos profissionais nas consultas e exames.

Graças à transformação digital, hoje é possível encontrar soluções preparadas para ajudar no acompanhamento e controle das informações que elevam a qualidade dos atendimentos.

Integração de setores

Cada setor tem impacto em outras áreas da instituição e, assim como empresas podem se unir em projetos para o mercado, os setores internos também precisam trabalhar em conjunto. A integração das informações ajuda a acelerar o atendimento, desde a recepção até a realização de exames, e a transformação digital traz as soluções que alimentam os dados em um sistema integrado.

Existem plataformas próprias para criar um modelo de administração hospitalar bem alinhado, acompanhando os dados de entrada e saída de materiais, prontuários eletrônicos, exames e muito mais. Algumas tarefas, no entanto, são mais bem acompanhadas por um sistema específico, como a gestão de escalas.

Gestão de escalas

A gestão de escalas é um grande desafio nos hospitais e demais instituições de saúde.  Cada profissional tem a sua importância dentro das escalas de horários e preencher os plantões não é uma tarefa fácil.

Trabalhar com pessoas é um grande desafio, porque sempre podem ocorrer imprevistos. Os sistemas de gestão de escalas são uma das revoluções que a transformação digital trouxe para a administração hospitalar.

Além de facilitar a tarefa de remanejamento dos horários, eles permitem que os próprios profissionais tenham melhor controle das escalas pessoais. Assim, a administração hospitalar preenche os buracos tão comuns nos atendimentos e pode deslocar parte dos esforços para outras atividades.

Na RedFox, um exemplo sólido desse tipo de plataforma é o GoShift. O software traz várias funcionalidades para a gestão de escala, como alertas de oportunidades, sincronia entre calendários pessoais e profissionais dos médicos, panorama completo das escalas etc.

Siga a RedFox nas redes sociais para receber mais conteúdos relevantes sobre transformação digital e tecnologia:

FacebookInstagramLinkedIn

Planilha para gestão de escalas