Blockchain na Saúde e seus impactos na medicina

blockchain na saúde

A chegada do blockchain na saúde trouxe mais segurança para as instituições médicas. Essa tecnologia usa criptografia para proteger o acesso a documentos hospitalares, como laudos, exames e prontuários, proporcionando maior confiança e diminuindo a necessidade de validações.

O que reforça a segurança é que a alteração das informações exige autorização consensual dos membros da rede. Com isso, há uma redução nos riscos de perda dos dados, que podem ser usados prontamente sempre que necessários.

O blockchain na saúde pode ser aplicado em várias frentes, melhorando os processos hospitalares e reduzindo a vulnerabilidade dos dados. Confira algumas das principais utilidades a seguir.

Informações clínicas

Os dados de pacientes já são armazenados naturalmente nos hospitais, mas a vantagem do blockchain na saúde é que essas informações podem ser compartilhadas de acordo com a necessidade do paciente.

Ele pode escolher quem terá acesso aos registros e carregar os dados para outras instituições. Com isso, ganha mais liberdade e autonomia na própria saúde, enquanto que os hospitais precisam ter chaves criptografadas para acessar os registros.

A facilidade é que o paciente pode pré-autorizar o compartilhamento com hospitais e laboratórios selecionados, evitando burocracias em situações de emergência.

Como as informações já estão validadas, o atendimento fica mais ágil, pulando etapas desnecessárias. Essa praticidade é vantagem tanto para o paciente como para a instituição, que ganha tempo para realizar mais atendimentos.

Pesquisas científicas

Com o blockchain, as universidades de medicina e a indústria farmacêutica conseguem aumentar a segurança dos estudos e descobertas científicas desenvolvidos para o setor. Assim como no caso dos pacientes, os pesquisadores também podem selecionar quem tem acesso aos dados neste contexto.

Há uma profissionalização do armazenamento dos relatórios, que passa a usar assinatura digital e outros meios de criptografia. A plataforma permite compartilhar as pesquisas acadêmicas e ensaios clínicos com menos riscos de alterações indevidas e perda de informações.

Credenciamento de médicos

O credenciamento de médicos nos sistemas das instituições é outra aplicação do blockchain. É possível encontrar redes de saúde que permitem ao profissional inserir os dados profissionais em plataformas criptografadas, tornando-os disponíveis para diversos fins.

As informações registradas podem incluir dados da graduação, contratos e até os atendimentos realizados, adicionando o nome do médico nas fichas dos pacientes.

O registro de quem inseriu uma informação é importante para ocasiões em que o profissional precisa ser consultado, ou mesmo quando se precisa identificar o responsável por determinada ação.

Prontuário eletrônico

Os prontuários eletrônicos trouxeram muita facilidade para o cuidado da saúde, possibilitando o acesso aos dados do atendimento em qualquer lugar. Mas esse acesso também precisa de proteção, que vem justamente do blockchain.

Ele evita o vazamento das informações, permitindo que essas sejam facilmente localizadas não só na instituição, mas em outros locais médicos e laboratoriais.

O acesso aos relatórios do paciente facilitam os serviços das instituições e trazem insights sobre o histórico para realizar diagnósticos mais precisos e esclarecedores.

O blockchain na saúde é uma tecnologia com grandes oportunidades na área médica. No entanto, deve amadurecer mais nos próximos anos, rumo a uma medicina mais ágil e eficiente.

O modelo vai ajudar a reforçar a segurança de vários sistemas e softwares usados na gestão das instituições. Confira algumas tendências para esse mercado.