O que é transformação digital e qual o impacto no seu negócio?

O que é transformação digital?

Você sabe o que é transformação digital? Muitas pessoas acreditam que ela é um bicho de 7 cabeças e tendem a confundi-la com digitalização. Na minha jornada como empreendedora, vejo que muito disso se deve à falta de compreensão sobre o termo.

A transformação digital é o processo pelo qual as empresas passam a resolver problemas complexos por meio da tecnologia. Nesse contexto, apesar da relevância da implantação de ferramentas digitais para alcançar resultados mais sustentáveis, é impossível atingir esse objetivo só com isso.

Ou seja: mais do que simplesmente aplicar tecnologia, acredito que transformação digital se trata de uma maneira de repensar os processos gerando valor para a organização, adequando-se às reais necessidades.

Se as soluções digitais não forem aplicadas com um objetivo de resolução de problemas, a transformação digital pode fracassar, já que deixa de suprir uma demanda específica. Por isso, saber com clareza o que é transformação digital e os benefícios dela é o primeiro passo para obter sucesso nas mudanças.

Quais vantagens a transformação digital traz para uma empresa?

A transformação digital se tornou sinônimo de diferenciação e vantagem competitiva. Com a melhoria dos processos a partir de tecnologia, uma empresa pode se destacar na oferta de melhores serviços, reforçando a imagem no mercado.

Mas os benefícios vão além. Tornar os processos ágeis, com foco no cliente, proporciona melhorias significativas, como:

1) impacto direto nas vendas – a melhor experiência para o cliente normalmente traz uma maior satisfação e este sentimento pode ser percebido diretamente no aumento das vendas, pois essa experiência tende a se tornar um diferencial competitivo diante dos demais concorrentes.

2) aumento da produtividade – a redução de processos operacionais manuais simplifica as atividades e trazem mais resultados, promovendo uma evolução do modelo de negócios;

3) redução de custos – a automação das atividades diminui a necessidade de pessoas nos processos, bem como traz a própria aceleração da produtividade, levando à economia de recursos.

Qual é o impacto da transformação digital na sua empresa?

A transformação digital precisa ser aplicada com objetivos muito claros e alinhada à estratégia da organização. Além disso, um fator de sucesso de extrema importância e que muitas vezes é negligenciado durante um processo de TD são as pessoas e a cultura da empresa.

Eu entendo que a cultura precisa estar muito alinhada com a estratégia da organização para que a TD funcione de maneira efetiva. Vemos muitas empresas fracassarem justamente por isso.

A melhor forma de incentivo é fazer com que as pessoas se tornem parte do processo de transformação e tenham voz ativa na sugestão para resolver problemas. Digo isso porque, muitas vezes, os executivos se esquecem de envolver o time operacional no desenho de uma nova solução.

Isso gera problemas enormes, desde a baixa adesão entre a equipe até uma falta de entendimento correto dos gargalos, o que leva à implantação de uma ferramenta que não elimina de fato as dores da empresa.

As áreas devem funcionar juntas para que todos os processos funcionem da maneira correta. Então, se você inserir uma tecnologia de maneira isolada em um departamento sem olhar o impacto que aquilo pode gerar nos demais, vai dar um tiro no pé.

Há muitos casos que buscam aplicar a tecnologia em cima dos processos atuais, sem olhar como eles podem ser melhorados. Nesse caso, a empresa não está fazendo TD, mas sim digitalização. Este é um erro muito comum nas grandes organizações.

Então como aplicar a transformação digital corretamente?

Se você considerar o cenário que eu desenhei até aqui sobre o que é transformação digital, já tem uma boa margem para aplicá-la na sua empresa. Mas eu enxergo 3 alavancas fundamentais para as ações:

1) melhoria da experiência do cliente – as ferramentas de UX ajudam a proporcionar mais conforto e qualidade na forma como o público interage com um produto;

2) desenvolvimento de soluções – elas precisam ser criadas de forma que realmente gerem novas linhas de receitas, tendo um propósito dentro da organização ;

3) e melhoria de processos – as mudanças devem fazer sentido para a evolução do trabalho e da produtividade, resolvendo problemas que a equipe tem dificuldade em lidar.

Ao atuar nessas frentes, uma empresa tem mais chances de aumentar o potencial de competitividade e aplicar uma transformação digital com sucesso. Agora que você já sabe o que é transformação digital, vamos conversar sobre as necessidades da sua empresa?

*Artigo originalmente escrito para o Linkedin por Isabela Abreu.t

O Princípio de Pareto na gestão de projetos para obter estratégias e resultados eficientes

O Princípio de Pareto na gestão de projetos é uma ferramenta essencial para guiar a produtividade na busca de resultados. Se o termo parece estranho, talvez você já tenha ouvido como a Regra 80/20. O conceito estabelece uma relação estratégica entre causa e consequência.

A relação matemática criada pelo economista italiano Vilfredo Pareto determinava como 80% da riqueza do país dele estavam concentrados nas mãos de apenas 20% das pessoas. A partir desse estudo, o gestor de qualidade Joseph Moses Juran posteriormente criou o princípio, homenageando Pareto no título.

Mas o que exatamente a regra determina? E como o Princípio de Pareto na gestão de negócios pode ser aplicado?

O que é a Regra 80/20

Oficialmente, a Regra 80/20 implica que 20% dos insumos ou esforços geram uma base de 80% dos resultados. Só que essa relação pode ser aplicada em vários contextos, como os 20% de erro que levam a 80% dos problemas ou os 20% de trabalho que ocupam 80% do tempo de execução.

No dia a dia, podemos aplicar a regra em muitas atividades e situações da vida, mesmo que generalizando as medidas. A proporção pode variar, mas é essa discrepância nas medidas que fazem o princípio tão coerente e relevante.

Como o Princípio de Pareto na gestão de projetos é aplicado?

Se os exemplos anteriores acenderam uma luz na forma como você gerencia os seus projetos, já entendeu como o Princípio de Pareto pode ajudar. Conforme você identifica as relações, pode trabalhar para equilibrá-las e melhorar os resultados dentro do contexto.

As diferenças nas proporções ajudam a ter insights para criar estratégias e planos de ação. Confira a seguir algumas métricas para repensar o modelo de gestão dos negócios.

1. Os 20% de clientes responsáveis por 80% da renda

Quando um alto valor da renda vem de clientes selecionados, vale reavaliar o relacionamento com o restante do portfólio. São clientes que podem ser mais bem trabalhados? Os resultados compensam os esforços concentrados neles?

Se possível, identifique estratégias para estreitar os laços e ampliar os negócios. Para equilibrar com os clientes de ponta, você pode verificar se há algo sendo feito para a carteira principal que não é feita para os demais. Prospectar novos clientes para liberar espaço de clientes sem potencial também é uma plano interessante.

2. Os 20% de tarefas que representam 80% das prioridades

Ao elencar as tarefas do dia, muitas delas podem estar relacionadas a projetos de baixa prioridade, enquanto um número reduzido costuma ter alta relevância. Vale a pena concentrar os esforços nas prioridades mesmo que tarefas menores possam ser executadas com mais agilidade.

3. Os 20% de riscos com 80% dos potenciais de danos

Todo projeto traz riscos para a realização, mas é comum que alguns desses perigos representem mais comprometimento ao processo. Nesse caso, é importante focar os esforços para resolver essas questões, mas sem deixar de dar atenção aos demais riscos.

4. Os 20% de razões para 80% dos erros de escrita nos materiais e sites de empresas

Cerca de 80% dos erros de escrita de uma empresa têm origem em causas similares. Muitas vezes, o autor reformula frases e acaba esquecendo palavras que ficam perdidas ou até tiram o sentido da sentença, bem como os problemas de grafia podem vir da desatenção na digitação.

Outro motivo comum acontece quando um superior decide mudar o conteúdo escrito pelo funcionário e comete erros que o responsável pelo texto não cometeria. Pode acontecer também de o texto estar em um papel, com a letra manuscrita de forma dificilmente legível, dando margem a erros.

5. Os 20% de itens do portfólio que recebem 80% do investimento

Toda empresa tem a sua extensão de produtos e serviços que precisam ser explorados para alcançar mercado. No entanto, apenas uma parte reduzida tende a receber mais investimento, de acordo com a prioridade.

É possível que a falta de investimento em outros itens do portfólio esteja fazendo a sua empresa perder oportunidades por falta de divulgação. O mercado muda constantemente e o público também.

Talvez aquele item esquecido tenha mais relevância do que quando foi colocado de escanteio. Esteja sempre atento a esses fatores e procure repartir melhor a renda para o investimento!

Gostou dos exemplos de como aplicar o Princípio de Pareto na gestão de projetos? Então coloque o conceito em prática, avalie as suas estratégias e veja em quais aspectos os resultados podem ser mais bem distribuídos!

E que tal adotar a Metodologia Ágil na sua equipe para gerar mais resultados? Descubra as vantagens do método e veja como aplicá-lo em grandes empresas!