Gestão Ágil: errar é humano (e faz bem)


Você já errou hoje?

Escolhi essa pergunta para começar nossa conversa sobre Gestão Ágil porque tem tudo a ver com o assunto.

Se a sua resposta for negativa, provavelmente deve cometer algum deslize ao longo do dia. Isso faz parte da vida, e não tem problema. Pelo contrário: faz parte do processo de aprendizado.

Gestão Ágil é justamente isso: aprender de forma empírica — na prática. O principal benefício é permitir à equipe uma margem de erros a serem corrigidos rapidamente, refinando a assertividade nesse processo.

Infelizmente, a maioria das pessoas e empresas ainda tem a visão de que as falhas são inaceitáveis, ignorando que isso sempre existirá. A diferença é a forma como você lida e aprende com a situação.

Errar é humano e faz bem. E acredite, pode realmente deixar o trabalho mais inteligente.

Como funciona a Gestão Ágil?

Quando falamos de agilidade, não é puramente sobre velocidade. O conceito está relacionado à capacidade de adaptação, que pode ser muito morosa nas empresas.

É aí que surge a Gestão Ágil: uma solução estratégica com vários modelos para conter o problema.

Essa metodologia propõe ciclos de entregas curtos e em etapas, trabalhando com o Produto Mínimo Viável (MVP). Vejo um resultado muito bom nesse sistema, porque as equipes conseguem ajustar as dificuldades com mais facilidade. Isso porque o impacto é visto em fases específicas, tornando-se mais escaneável na cadeia do processo.

Ao final de cada ciclo, os usuários já podem utilizar o produto/solução de fato, possibilitando colher alguns frutos do trabalho, melhorar o entendimento sobre as reais necessidades dos clientes e verificar se a solução efetivamente resolve os problemas apontados.

Quais são os benefícios da Gestão Ágil?

Não tem como falarmos em Gestão Ágil sem citar o esforço da equipe. Um dos principais destaques da metodologia é que você consegue trabalhar com um time multidisciplinar e capaz de se auto-organizar.

Em outras palavras, os colaboradores têm a liberdade de seguir a própria linha de trabalho, podendo executar as atividades de acordo com o perfil de cada um. Isso é muito benéfico para o resultado, porque as diferenças se balanceiam no final.

Existe um trabalho linear, horizontal, que favorece também a transparência na gestão. Mesmo que os profissionais tenham uma capacidade de autocontrole, eles se conversam e encontram as soluções para os erros e problemas em equipe.

Ou seja, todos se reúnem para se ajudar conforme as dificuldades, reforçando a característica do aprendizado e melhorando os resultados.

Porém, acredito que o benefício principal é mesmo a questão das entregas por ciclo, que se tornam mais frequentes: o cliente consegue acompanhar de perto o desenvolvimento dos projetos, podendo solicitar ajustes e alterações sempre que achar necessário, sem que isso prejudique o andamento total do projeto.

O trabalho conjunto converge em resultados satisfatórios e cheios de valor agregado.

A Gestão Ágil na prática

Como CEO da RedFox, percebo um salto de qualidade considerável a partir da adoção dessa metodologia — tanto internamente, aplicando na gestão dos nossos projetos, como de maneira externa, aplicando em nossos clientes.

Gestão Ágil nos permitiu trabalhar com times multidisciplinares de maneira integrada, unindo pessoas com habilidades distintas. Isso nos dá abertura para trabalhar visões diferentes e agregar conhecimentos com foco no resultado.

Um dos pontos importantes é que, quando os erros aparecem, por qualquer razão que seja, as equipes trazem isso à tona para que todos consigam pensar juntos em uma solução, em vez de colocar o problema para debaixo do tapete e esperar que ele desapareça.

“Isabela, como trazer esse movimento na minha empresa?”

Para implementar a metodologia, penso que o primeiro passo é implementar uma cultura ágil, fazendo com que todos entendam que existe uma nova forma de trabalhar, mais colaborativa, transparente e integrada.

No processo, vejo que é muito importante quebrar o paradigma da cultura do medo com os erros, aceitando que eles existem. Precisamos deixar que os colaboradores experimentem mais e se sintam confiantes para errar, para entender que é possível aprender e transformar as lições em aprendizados.

Por isso, eu deixo um conselho: erre sem medo!

*Artigo originalmente escrito para o Linkedin por Isabela Abreu

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *