Tudo o que você precisa saber sobre a gestão de escala 12×36 em hospitais e clínicas

A escala 12×36 é uma das principais jornadas utilizadas em hospitais e centros médicos no Brasil. O formato permite que o funcionário trabalhe 12 horas e descanse nas 36 horas posteriores ao expediente.

Em 2017, houve mudanças na lei trabalhista por causa de uma reforma que analisou as condições de trabalho na jornada, que costuma levantar controvérsias e questionamentos. A dificuldade na gestão de escala e a qualidade de vida dos funcionários estão entre os principais problemas dentro do modelo.

Separamos a seguir tudo o que você precisa saber sobre a escala 12×36 em hospitais e clínicas. Confira!

A reforma trabalhista de 2017

Com a reforma trabalhista, a escala 12×36 teve uma grande vitória: passou a ser reconhecida para todos os profissionais, junto com outros modelos de jornada. No contexto geral, as novas regras da CLT permitiram que a escala pudesse ser usada em qualquer categoria, com as devidas atenções, a partir do artigo 59-A.

O Ministério do Trabalho incluiu algumas exigências para a aplicação da jornada, entre elas:

  • A jornada deve ser estabelecida em comum acordo entre a equipe, com convenção coletiva e acordo individual de trabalho;
  • Intervalo de almoço e descanso de pelo menos 1 hora ou, na falta desta, conferindo-se hora extra com adicionais;
  • Remuneração em dobro nos feriados;
  • Atenção aos limites semanais para cada categoria, de acordo com a legislação;
  • Controle da jornada pela empresa.

O não cumprimento dessas regras acarreta em autuação e imposição de multas por infração da CLT.

Os desafios da escala 12×36

Na escala 12×36, existe rotatividade frequente das escalas de trabalho. O controle da jornada, então, passa a ser um grande desafio para os gestores, que precisam estar atentos para que todos cumpram a carga horária, garantindo também bons resultados com o faturamento hospitalar.

Como descreve a lei na reforma trabalhista, o controle do expediente precisa ser feito pela própria instituição. Por isso, os hospitais e clínicas precisam ter um sistema eficaz para evitar que qualquer item do artigo 59-A seja descumprido.

O trabalhador encontra nas novas regras a vantagem de poder montar o próprio expediente em comum acordo com a empresa, desde que respeitando a carga horária limite. O contexto se pauta na qualidade de vida dos funcionários, ainda mais se levar em conta radiologistas e funcionários que trabalham em ambientes de risco.

Houve uma flexibilização da jornada, mas isso não impede o funcionário de cumprir as obrigações. Se as empresas precisam controlar as escalas, as taxas de absenteísmo também precisam ser verificadas.

Organizar os horários para que cada turno seja preenchido, em um contexto em que cada funcionário pode ter uma jornada diferente, já é uma tarefa que precisa de atenção. Ter que remanejar horários para cobrir faltas se torna uma missão ainda mais desafiadora.

Por isso, as instituições médicas precisam se organizar para ter um sistema de gestão eficiente. Diante do evidente processo de transformação digital na saúde, é preciso recorrer a ferramentas adequadas de gestão.

Como realizar o controle de escalas

Um sistema muito comum para realizar a gestão de escalas é o controle de ponto eletrônico, no qual os funcionários registram a biometria. Esse modelo funciona, mas deve-se levar em conta que o avanço da tecnologia vem trazendo opções cada vez mais atualizadas.

Muitas instituições passaram a adotar sistemas digitais para determinar as escalas de horários, que ajudam a controlar quem realizará determinado turno. Caso um funcionário não possa cumprir o plantão, ele pode avisar pela própria plataforma e enviar notificações ao líder, que consegue reorganizar a escala com mais rapidez. Dessa forma, evita-se buracos nas agendas.

Já o funcionário tem a liberdade de registrar o ponto por meio de dispositivos móveis, como smartphones e tablets, facilitando o processo. Cabe aos gestores encontrarem a melhor solução para organizar e controlar o fluxo das escalas 12×36.

Na RedFox Soluções Digitais, a solução indicada para a gestão de escalas é o GoShift, que traz uma variedade de funcionalidades para melhorar os resultados de faturamento nas instituições médicas, aumentar a quantidade de atendimentos e garantir um serviço de qualidade aos pacientes.

Saiba mais sobre o GoShift e veja por que ele é a solução ideal para o controle de escalas médicas!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *