Diretor de TI da Associação Paulista de Medicina discute tecnologia na saúde e gestão hospitalar

No segundo episódio da série “Transformação digital na saúde”, a RedFox conversou com Antonio Carlos Endrigo, diretor de TI da Associação Paulista de Medicina (APM). Para ele,o novo direcionamento da tecnologia na saúde e gestão hospitalar  é um processo que vai transformar as vidas dos profissionais de saúde e dos pacientes que utilizam os serviços.

“Estamos passando por momento de grandes transformações na área da saúde. Novas tecnologias estão sendo utilizada, como a inteligência artificial, IoT e machine learning, onde máquinas e softwares acabam aprendendo e evoluindo”, ele contextualiza.

Na entrevista, Antonio fala sobre a importância da tecnologia na saúde para os serviços assistenciais e sistemas de gestão, além das dificuldades de adoção de novas tecnologias nas instituições médicas. Confira os principais insights a seguir!

Por que a adoção de tecnologias é importante no sistema de saúde

Direcionar o setor para adotar tecnologia é uma tarefa difícil, mas que traz inúmeros benefícios para o sistema assistencial. Além de gerar uma aceleração dos processos, a transformação digital permite aos hospitais e clínicas conseguir economia e produtividade.

“Vemos hospitais que têm noção em tecnologia em nível muito alto comparados a hospitais na América do Norte, Europa e muitos que ainda estão no sistema analógica”, fala Antonio Carlos. “O foco do hospital é na prestação de serviços assistenciais. Se ele gasta muitos esforços na questão administrativa, acaba não sendo eficiente nessa área”.

O diretor de TI aponta também que a adoção de tecnologias gera também uma melhoria nos sistemas de gerenciamento de escalas. Ele afirma que hospitais que ainda contam com um sistema manual têm maior dificuldade na organização, sendo importante gerar uma disrupção no modelo.

“Em muitos hospitais, hoje existem ferramentas que apontam tempo, nome e horário. Cada profissional pode se organiza ser a partir delas semo manuseio ou ação de outra pessoa. É necessário o uso dessas novas tecnologias nos hospitais para automatizar os processos”, contextualiza.

Para enfatizar a importância da tecnologia na saúde, Endrigo conta o exemplo da APM, que ousou seguir pela transformação digital e atualmente proporciona serviços muito mais dinâmicos aos pacientes. A própria equipe se viu beneficiada.

“A APM é uma instituição de quase 90 anos. Tivemos uma transformação digital na área, iniciada há quase cinco anos. É uma operação gigantesca, que tinha um sistema operacional instalado em servidores internos com performance muito ruim. Havia muita reclamação e pressão nas equipes. Então, fizemos a transformação digital e montamos a nuvem. Houve uma mudança muito grande e a performance aumentou barbaramente”, ele conta.

Desafios para implantação de soluções digitais na saúde

A APM enfrentou o desafio da disrupção digital, mas Endrigo ainda enxerga obstáculos para que o setor possa se adequar como um todo. Para ele, os principais problemas são o conservadorismo e a cultura dentro das instituições.

“O custo de tração em muitos hospitais é alto e as dívidas impedem de adotar novas tecnologias. Na maioria das vezes, o médico está à frente na área administrativa, sendo o direcionador no uso de novas ferramentas, mas é conservador. Ele pensa muito na hora de adotar os novos serviços. Essa cultura causa certa demora e a instituição fica aquém de usar novas tecnologias”, afirma.

Antonio Carlos acredita que, se as instituições apostarem na disrupção, podem quebrar esse ciclo de custos altos e focar nas atividades mais importantes, mas devem aceitar os gastos iniciais que as tecnologias demandam. A implantação pode ser cara, mas se paga no futuro.

“Os hospitais gastam energia enorme na parte administrativa e poderiam ser mais fortes na área assistencial. Isso acontecia na APM, mas apostamos na mudança. Tivemos custo inicial, mas, em três anos, alcançamos um breakeven desse valor. Agora é só beneficio. O foco é atender o associado. O mesmo espero nos hospitais, mas poucos enxergam esse caminho e tem foco no analógico”.

Na entrevista, Endrigo fala sobre como os prontuários eletrônicos devem contribuir para diminuir glosas e prejuízos para a instituição, além de contar mais sobre as experiências da Associação Paulista de Medicina com tecnologia na saúde. Confira o vídeo na íntegra!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *