Design Sprint: entenda o que é e como fazer

Você já ouviu falar em Design Sprint? A transformação digital vem modificando a maneira como várias empresas lidam com seus processos internos. E uma dificuldade recorrente que várias instituições encontram durante o desenvolvimento de novos produtos ou serviços é garantir a agilidade necessária para sua realização.

O Design Sprint é uma técnica desenvolvida pelo Google Ventures a partir dos conceitos de entendimento, ideação e prototipagem do Design Thinking. A metodologia direciona seu foco no usuário e na agilidade dos processos de inovação. Com essa técnica, é possível criar soluções, como produtos e serviços, a partir da validação de uma ideia em um rápido período de tempo. Geralmente, o Design Sprint é concluído em cinco etapas.

Neste artigo, você vai entender melhor sobre essa metodologia. Com a leitura, você saberá como aplicá-la e os benefícios que ela pode trazer para a sua empresa.

Afinal, o que é o Design Sprint?

Em primeiro lugar, é preciso entender bem o Design Sprint. Trata-se de uma metodologia ágil que ajuda a acelerar processos de inovação nas empresas. Sua divisão e estruturação se dá em cinco etapas principais, com o objetivo de solucionar problemas em apenas uma semana. 

Cada fase do Design Sprint tem um foco e um direcionamento próprios. O processo é evolutivo, e a intenção do método é progredir na resolução dia após dia, para sair de um desafio e chegar a uma solução testada e validada pelos usuários.

O Design Sprint é indicado, principalmente, em três casos específicos. O primeiro caso é indicado quando a empresa precisa desenvolver um projeto altamente estratégico. 

É sempre recomendável fazer um Design Sprint antes de dar início a um grande projeto. Neste sentido, é possível minimizar os riscos de impacto e erros que possam comprometer a viabilidade do projeto.

A segunda indicação para um sprint é para projetos que possuam um prazo muito curto. Em outras palavras, é possível acelerar as etapas de realização de projetos de extrema urgência através da metodologia.

E por fim, outra situação em que o Design Sprint é bem-vindo é a referente a projetos que estão demorando para sair do papel. Sejam ideias engavetadas ou que a equipe esteja desengajada em fazer acontecer.

Fato é que o Design Sprint é a melhor opção para trazer colaboradores de outras áreas para sentar à mesa durante cinco dias e colocar a mão na massa para finalmente tirar esse projeto do papel.

Importância da metodologia nas empresas

O ritmo exigido pelo mercado já não permite que as empresas passem por todas as etapas de desenvolvimento de um produto ou serviço.

Vamos a um exemplo? Sua empresa está desenvolvendo um produto que será o carro-chefe da marca. Demorar para validar essa ideia, desenvolvendo o produto em um período maior de tempo, pode acarretar em perdas financeiras para o seu negócio.

O Design Sprint pode ser a chave para solucionar esse tipo de desafio. Com a metodologia, é possível entregar a validação de um projeto que antes levaria semanas para ser desenvolvido em apenas cinco dias.

Sem dúvidas, o uso do Sprint traz um ganho muito importante para a competitividade de negócios digitais.

Etapas do Design Sprint

Uma vez que esteja claro o conceito da metodologia, vamos mostrar abaixo as cinco etapas do Design Sprint

Os cinco dias de desenvolvimento do projeto têm, cada um, um objetivo específico. As etapas são:

  • Entendimento: em primeiro lugar, é preciso mapear e entender o problema. Aqui, você deve pesquisar, levantar hipóteses e sugerir ideias.
  • Desenho: no segundo dia, é chegada a hora de desenhar as ideias que foram mapeadas no dia anterior. As ideias existentes precisam ser revisadas e refinadas.
  • Tomada de decisão: com as ideias já desenhadas, é hora de confrontar as hipóteses. Assim, é possível decidir qual será a melhor solução proposta para o desafio. Aqui também é o momento de filtrar o que será utilizado e o que será descartado.
  • Prototipagem: aqui é a etapa de colocar a mão na massa. É preciso fazer um protótipo com base no storyboard criado no dia anterior.
  • Teste: o protótipo precisa estar ok para a fase final, que é a de testes. O protótipo precisa, na última fase, ser testado por pessoas, para que haja aprendizagem com os resultados e feedbacks.

Por fim, chega a hora de reunir as informações recebidas na última etapa e decidir sobre a continuidade e aplicação real da ideia ou projeto.

As vantagens da metodologia

O Design Sprint é uma metodologia para que uma ideia seja validada com economia de tempo e de dinheiro. Para muitas empresas, esta estratégia consegue ser uma ótima alternativa aos brainstorm e demais processos criativos.

Outra vantagem do Design Sprint é que a metodologia é útil para a formação de equipes de futuros projetos. Assim sendo, é possível que gestores identifiquem comportamentos em grupo e individuais dos colaboradores.

Ademais, você pode evitar o desperdício de tempo e dinheiro com essa metodologia. Em síntese, trata-se de uma opção para testar de maneira rápida funcionalidades e processos complexos.

Esse sprint é também uma alternativa ao MVP (produto minimamente viável), por ser mais ainda rápido.

A aliança entre colaboração multidisciplinar e suporte tecnológico vem aumentando a eficiência dos negócios digitais. Os resultados são crescimentos rápidos de receita e a consolidação de novas soluções para os consumidores.

Embora seja uma solução, o Design Sprint é também um desafio. Adotar o uso dessa e de outras metodologias ágeis na sua empresa necessita de dedicação e de uma mudança na cultura organizacional do seu negócio. De olho nisso, separamos um material para que você entenda melhor sobre o assunto e possa conduzir seu negócio a outro patamar. 

Está gostando deste conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Keep Learning

Posts Relacionados