Da adversidade à oportunidade: A telemedicina e a saúde digital

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Saiba como a telemedicina pode ser explorada para diversificar os modelos de negócios das as organizações de saúde e quais os próximos passos rumo à Transformação Digital na saúde no Brasil.

Na live que aconteceu no dia 29/04, no canal da Health Innova Hub com Fernando Cembranelli, CEO da Health Innova Hub, nossa CEO, Isabela Abreu, conversou sobre como a crise causada pela pandemia do coronavírus no Brasil pode ser uma oportunidade para acelerar a Transformação Digital na Saúde.

Com base nos temas discutidos, criamos uma série de artigos para te deixar atualizado sobre os principais assuntos relacionados à saúde digital, durante este momento de crise. 

No primeiro deles, falamos sobre como a transformação digital está sendo responsável por uma nova revolução industrial, trazendo novos modelos de negócios e novos perfis de consumidores, com novas exigências. Descubra agora quem é o novo consumidor de saúde e como se preparar para atendê-lo.

Sabemos que o isolamento social causou grandes mudanças em nossas formas de nos comunicarmos, estudarmos, consumirmos e trabalharmos.

O presencial e o analógico deram lugar ao uso da tecnologia para a realização das atividades diárias à distância. Nunca antes as ferramentas tecnológicas tiveram uma oportunidade tão grande de mostrar o seu potencial e valor.

Só saberemos ao certo todos os impactos disso daqui há algum tempo, mas sabemos que não seremos mais os mesmos. Consumidores e empresas sairão transformados deste período, inclusive empresas da área da saúde.

Por isso, é essencial estarmos cientes dos possíveis cenários, para que sejamos protagonistas na transformação que está por vir.

Telemedicina: um primeiro passo para a Transformação Digital na saúde

A telemedicina é uma nova modalidade de prática médica, que possibilita que consultas, que antes eram feitas exclusivamente de forma presencial, sejam feitas à distância. 

Durante a quarentena causada pelo coronavírus, a telemedicina se provou a melhor alternativa para garantir a continuidade do cuidado médico para muitos pacientes, gerar receita, manter a produtividade, diminuir gargalos e desafogar as filas de espera nos hospitais.

Neste contexto, algumas ferramentas chegaram a registrar mais de 5000 atendimentos realizados na plataforma em um único dia, um número inimaginável para a realidade da maior parte das clínicas do país. 

Uma dúvida frequente tem sido sobre qual ferramenta de telemedicina utilizar, dentre tantas opções disponíveis no mercado. Neste momento de urgência, a recomendação é escolher a que melhor atenda às necessidades dos médicos e de seus pacientes: que possuam uma boa usabilidade e que ofereçam segurança para todas as partes.

No entanto, passada a pandemia, é importante a continuidade das discussões sobre telemedicina, para que sejam feitas as regulamentações necessárias e definidas quais as melhores práticas no exercício profissional e para que possamos entender o objetivo do uso da telemedicina pelas instituições e, a partir disso, avaliar se as ferramentas em uso atendem às suas necessidades.

Assim, a escolha das plataformas poderá ser feita com base em critérios como qual agrega maior valor ao negócio, qual oferece a experiência que você quer dar aos seus pacientes, qual tem os melhores diferenciais. 

O que observar ao escolher uma plataforma de telemedicina

Com a prática liberada durante o período, muitas empresas surgiram oferecendo ferramentas rápidas e aparentemente eficientes. No entanto, muitas delas não possuem requisitos mínimos de segurança de dados, deixando médicos e pacientes em situação vulnerável.

Ferramentas como WhatsApp, Telegram, Zoom e Google Meets tem sido muito usadas, mas já avisamos: são inadequadas para a prática.

Em redes como WhatsApp e Telegram, por exemplo, além de problemas como falta de limites de horários para os questionamentos dos pacientes, não há segurança das informações transmitidas por ele e não há o cumprimento de requisitos éticos e, futuramente, legais para a prática da telemedicina. Eles não garantem sigilo, porque:

  • São vulneráveis à ataques de clonagem como SIM swap;
  • Pode ocorrer extração de backups, implicando em duas formas de acesso às mensagens trocadas entre médicos e pacientes;
  • No caso do WhatsApp, há também coleta de dados de seus usuários pela própria empresa responsável pelo aplicativo.

Outra dificuldade é a falta de ferramentas de verificação de certificados de atributo. Isso impede que pacientes e médicos tenham a segurança de saber que a pessoa do outro lado é realmente quem ela diz ser. 

Muitas organizações, já têm percebido que as plataformas atuais são pouco customizáveis e não atendem completamente às suas demandas. Por isso, já estão buscando por soluções com maior possibilidade de customização e adequação à realidade de sua organização.

É importante que as empresas comecem a olhar para a telemedicina como um novo modelo de negócios, que tem ainda um grande potencial a ser explorado.

A saúde digital no Brasil

As pessoas migraram para o digital buscando serviços que ofereçam comodidade e que possuam alto valor agregado. O novo consumidor quer ter experiências incríveis. Mas como oferecer comodidade e experiências incríveis na área da saúde?

No primeiro momento, soluções como as ferramentas de telemedicina e aplicativos de agendamento já resolvem algumas dores dos pacientes de forma eficaz. Mas não podemos parar por aí. Devemos buscar novas formas de reinventar o mercado da saúde, para atender às demandas dos novos consumidores, cada vez mais exigentes.

Neste sentido, a tecnologia se mostra, cada vez mais, como a mais importante aliada rumo ao futuro. A saúde do futuro é a saúde digital.

Se você quer saber mais sobre telemedicina e saúde digital, confira  os principais tópicos abordados no HealthTech Business: from the present to the future, um evento especial de aquecimento para o Global Summit Telemedicine & Digital Health, do qual também participamos.

A saúde do futuro

Se os estabelecimentos e profissionais de saúde querem estar prontos para atender às demandas dos novos pacientes, a saída é a Transformação Digital.

Enquanto no passado ser digital era apenas ter um site, hoje não é mais assim. As empresas precisam ser digitais como um todo. A Transformação Digital é um meio de trazer tecnologia para as organizações, de forma estratégica e alinhada às necessidades do negócio, à cultura organizacional e às pessoas.

Para fazer Transformação Digital, é preciso olhar para o que você faz hoje, para as suas dores, perceber as tendências e criar uma forma completamente diferente e inovadora de fazer isso, com o uso da tecnologia.

Fazer Transformação Digital na saúde é pensar em como reinventar os seus modelos de negócios, de forma a estarem preparadas para os desafios do futuro, como pandemias de novos vírus e consumidores cada vez mais exigentes.

Assim como a indústria como um todo foi modificada pelos avanços tecnológicos, a saúde também será. Pensando na evolução da tecnologia em saúde ao longo do tempo, a HIMSS, referência global em saúde digital, propôs o seguinte modelo:

Pensar sobre como os pacientes consomem saúde é fundamental para criar novos modelos de negócios, como:

  • exames digitais mais práticos e intuitivos do que os que já são feitos hoje;
  • estruturas de armazenamento e processamento de dados, possibilitando uma análise completa dos pacientes que fazem seus exames no mesmo laboratório;
  • telemetria e telemonitoramento de pacientes crônicos, de pacientes recém-operados, gestantes ou diabéticos.

Por fim, os gestores de saúde devem passar a olhar para os dados de seus pacientes com mais atenção. Dessa forma, poderão transformá-los em informações relevantes, que facilitam a tomada de decisões de negócios.

Conclusão

A grande promessa da saúde digital, de acordo com a HIMSS, é a alavancagem de tecnologias digitais para transformar a prestação de cuidados em saúde. Caminhamos para um futuro no qual os sistemas de saúde devem buscar conectarem-se significativamente com as pessoas, para oferecer-lhes não mais o tratamento de doenças, mas saúde e qualidade de vida.

As tecnologias necessárias para a mudança já estão por aí. No entanto, ainda há desafios a serem superados para a Transformação Digital na Saúde brasileira acontecer, como:

  • imaturidade nos processos das empresas e
  • falta de profissionais capacitados para liderar o caminho.

Para saber como lidar com estes obstáculos, acompanhe nosso Linkedin e Instagram e fique por dentro dos conteúdos!

Gostou do nosso conteúdo?

Não perca nenhum artigo!

Cadastre seu e-mail e receba todo o nosso conteúdo.

Mais conteúdo para você

ACESSO AO case

Cadastro realizado com sucesso!

Acesse o case no e-mail informado