Conheça o GoShift e traga eficiência à gestão de escala

gestão de escala

O GoShift é uma plataforma de gestão de escala para a transformação digital de instituições médicas. A ferramenta resolve a má organização de horários e defasagem de profissionais, transformando os processos.

Por um lado, o gestor consegue encontrar os profissionais disponíveis para os buracos, reduzindo a burocracia dos processos. Na outra ponta, os médicos usam o aplicativo da solução para se encaixarem no horários livres, verificarem agendamentos e enviarem solicitações.

Esqueça as planilhas, que já são coisa do passado. Conheça as funcionalidades e vantagens do GoShift e veja como potencializar a sua gestão de escala!

Como funciona a plataforma de gestão de escala

O GoShift traz uma interface própria para acompanhar a gestão de escala, garantindo aos gestores melhor visualização dos horários e agendamentos.

O painel de gestão funciona em tempo real, mostrando tudo o que acontece no planejamento das escalas. A plataforma traz várias funcionalidades para os gestores, que podem subir as bases de oportunidades e gerenciar as agendas médicas.

As telas de Oportunidade e Solicitações, por exemplo, permitem administrar os horários de atendimento, readequando os profissionais.

Em Oportunidades, é possível visualizar as vagas em aberto. Já em Solicitações, o gestor pode acompanhar as notificações enviadas pelos médicos a partir do app.

Em Visão Cadastral, os horários são acompanhados em um cronograma geral, que mostra vagas preenchidas e vazias.

Outra tela é Réguas de Negócio, onde o gestor controla as oportunidades que aparecem para os médicos. Eles podem filtrar informações como unidades clínicas, período de escalas, especialidades e senioridade.

O GoShift disponibiliza ainda um Feed com as últimas novidades da instituição. Os profissionais recebem informações relevantes sobre o ambiente interno para elevarem a qualidade das atividades.

Aplicativo próprio para os médicos

O app do GoShift permite que o médico acompanhe as movimentações da plataforma. Ele recebe notificações, consegue visualizar as oportunidades disponíveis e se disponibiliza para as vagas.

Na tela de início, os compromissos do dia aparecem de imediato, bem como a quantidade de oportunidades para as datas seguintes. A visualização é bem prática, melhorando o engajamento com a solução.

No Calendário, o profissional visualiza oportunidades e agendamentos de acordo com o dia selecionado. Ele pode até mesmo selecionar o período de interesse.

Além disso, pode alterar as informações pessoais no Perfil e acompanhar as informações da instituição no Feed. A solução é uma adição interessante rumo ao avanço da tecnologia para melhorar o trabalho dos médicos em clínicas e hospitais.

Os benefícios do GoShift para a sua instituição

Diante das ferramentas que o GoShift disponibiliza, podemos elencar uma série de vantagens na plataforma. O principal objetivo da solução é conectar médicos e organizações para otimizar as agendas, trazendo melhorias pelo caminho.

Um grande benefício é a redução dos buracos na agenda médica. Os gestores e médicos conseguem se comunicar em tempo real, ajustando as agendas rapidamente. Sem os espaços vazios no cronograma, as instituições podem explorar o potencial máximo nos resultados e reduzir perda no faturamento.

Há também maior facilidade para evitar conflitos nas agendas dos médicos, elevando a assertividade da presença deles nas consultas. Isso reduz os riscos de cancelamentos de consultas e insatisfação de pacientes.

Por fim, temos o aumento de produtividade no trabalho. Com o maior aproveitamento das escalas médicas, os profissionais realizam mais atendimentos e podem se engajar ainda mais no relacionamento com os pacientes, já que os retornos das consultas também são acelerados.

Com a gestão de escala com maior controle, a empresa abre margem para aumentar o flow de entrada financeira, além de proporcionar serviços tão importantes com mais eficiência e inteligência!

Ficou interessado em evoluir a gestão de escala da sua instituição? Entre em contato com a equipe RedFox e solicite o seu orçamento!

Planilha para gestão de escalas

Confira dicas para montar a agenda médica do seu consultório

agenda médica

A agenda médica é fundamental para o bom funcionamento de uma clínica ou consultório. O preenchimento das vagas e a organização de horários fazem com que tudo se encaminhe nesse ambiente. Por isso, a tarefa de montar a agenda do consultório deve ser realizada com cuidado.

Um gerenciamento desordenado das escalas médicas pode se tornar uma verdadeira dor de cabeça. Alguns contextos possíveis são o paciente esperar demais, o médico se confundir com os horários e não aparecer, ter mais de um agendamento no mesmo horário ou ter horários vagos por falta de controle.

Você com certeza não vai querer encontrar um desses cenários no seu espaço, não é? Então confira a seguir as nossas dicas para montar uma agenda médica no seu consultório!

Conheça a rotina de trabalho

O primeiro ponto a ser analisado para determinar os horários da sua agenda é conhecer o ritmo de trabalho. Ao saber quanto tempo cada profissional leva para realizar os atendimentos, você consegue estruturar os agendamentos adequadamente, evitando esperas longas.

Imagine que um paciente demorou mais do que o previsto. Se os horários estiverem muito apertados, o ciclo de atendimentos se torna uma bola de neve e o trabalho se torna estressante para os médicos, que precisam acelerar o ritmo para diminuir exaltações.

Justamente por isso, a dica é agendar consultas com certo espaçamento entre elas, até para que o médico tenha tempo de respirar antes de iniciar uma nova consulta. O recomendado é estender 10 minutos além do tempo previsto para o próximo paciente.

A rotina também é importante em casos de médicos que atendem em outros institutos clínicos. Isso vai impactar nas jornadas dentro do consultório e disponibilidade para os pacientes.

Atente-se para o tipo de consulta nas agendas médicas

Ao elaborar a gestão de escala, você precisa levar em conta detalhes como as especialidades e o tipo de consulta. Essas informações são importantes para definir o tempo de atendimento, bem como as necessidades dos pacientes.

As primeiras consultas tendem a demorar mais, já que os pacientes chegam ao consultório com mais dúvidas e ainda começam a se alinhar com os procedimentos. Além disso, o médico precisa entender os sintomas apresentados.

Em relação às especialidades, analise não só a categoria médica, mas se a consulta é um atendimento simples ou se haverá realização de exames. Cada procedimento demanda um período específico dentro da clínica.

Vale se atentar também às tendências para a clínica do futuro, que vai permitir até atendimentos à distância para facilitar as escalas.

Verifique as confirmações das consultas

Para evitar buracos na agenda médica, é muito importante se certificar de que o paciente realmente vai comparecer à consulta. Você pode entrar em contato um dia antes para fazer a confirmação e, em caso de desistência, pode agir para cobrir a vaga com alguém que se interesse no horário.

Sua equipe pode entrar em contato manualmente, mas existem diversas tecnologias para facilitar a apuração, podendo enviar SMS ou lembretes digitais. As confirmações aperfeiçoam as agendas dos médicos, que podem organizar melhor os horários livres e realocar pacientes para preencher os buracos.

Consulte as tecnologias de escalas médicas

Montar sua agenda médica para consultório pode se tornar muito mais fácil quando você conta com as ferramentas adequadas para estruturar as escalas. Além de ajudar na confirmação dos pacientes, como citado anteriormente, você também consegue gerenciar os buracos com melhor visibilidade ao contar com plataformas e sistemas específicos para a tarefa.

As tecnologias de gestão de escalas ajudam a diminuir custos e a elevar o potencial de resultados do instituto médico, já que trazem soluções para reduzir os horários vagos nas agendas. Outra vantagem é que permitem visualizar as agendas de qualquer lugar, tendo acesso aos dados a qualquer momento.

Os próprios médicos conseguem gerenciar as escalas e se prontificar a preencher as vagas livres, deixando menos espaços livres e, consequentemente, gerando mais renda para a instituição.

Com essas nossas dicas para montar sua agenda médica para consultório, os resultados serão muito mais satisfatórios. Não deixe de conferir também como melhorar o controle da contabilidade hospitalar!

Planilha para gestão de escalas

Tendências de software para clínicas médicas

Software para clínicas médicas

A era da transformação digital exige que as instituições adaptem os setores rumo à automação e digitalização dos processos. Com o aumento de soluções disponíveis no mercado, é importante conhecer quais são as tendências de software para clínicas médicas.

A inovação tecnológica permite um atendimento cada vez melhor nas instituições de saúde, melhorando a gestão para aumentar a agilidade, redução de custos e organização das escalas. Cada solução tem a sua finalidade, mas algumas são essenciais para a evolução dos serviços.

Especializada em soluções digitais para a área médica, a RedFox apresenta agora os principais tipos de software para clínicas médicas que você precisa implantar na sua organização!

1. Software de gestão financeira

Um software de gestão agrega muito valor às clínicas, porque permitem acompanhar e organizar as informações financeiras do ecossistema. Além de reunir todos os dados de custos, tributos e pagamentos, a plataforma gera relatórios simplificados e fáceis de analisar.

Outra vantagem é que os dados ficam armazenados em nuvens criptografadas, diminuindo radicalmente as chances de perder informações. A digitalização do sistema financeiro da clínica permite também que a gestão possa ser feita de qualquer lugar, tanto por site como por aplicativos.

Os softwares de gestão financeira trazem diversas vantagens para as instituições financeiras, permitindo maior segurança na hora de tomar decisões.

2. Telemedicina

A telemedicina não chega a ser exatamente um software, mas uma forma online de atender o paciente à distância. Nesse contexto, os profissionais precisam utilizar plataformas de videoconferência para estabelecer o contato, ou mesmo fazê-lo via telefone de acordo com o caso.

O modelo de atendimento ainda é polêmico e está em fase de aprovações e formulações de leis, mas promete muita eficiência para um futuro próximo, quando os pacientes vão poder esclarecer dúvidas e realizar atendimentos de longe.

A telemedicina favorece pacientes que moram em regiões de difícil atendimento médico, mas vale uma ressalva. O método é adaptado somente para casos específicos, sendo ainda importante visitar o médico na maioria dos quadros clínicos.

3. Dispositivos wearable

Os dispositivos wearable são uma inovação que trazem softwares para clínicas médicas que controlam informações físicas do paciente e enviá-los à nuvem. Eles são especialmente adaptados para um cuidado à distância, no estilo Home Care, sendo também utilitários para a telemedicina.

Os médicos conseguem acompanhar informações clínicas como a pressão arterial, nível de glicose, batimento cardíaco etc. São vários os tipos de exames já disponíveis nos devices.

4. Software de Business Intelligence

O software de Business Intelligence (BI) é responsável por recuperar, analisar, transformar e ler informações armazenadas no sistema de BI. No setor de saúde, é possível consolidar as informações dos pacientes, bem como histórico de exames e diagnósticos.

A solução de BI se destaca na hora de realizar um mapeamento das condições e predisposições clínicas de um paciente, determinando tratamentos e cuidados necessários.

5. Sistema de gestão clínica

Além dos softwares de gestão financeira, as clínicas têm à disposição também sistemas de gestão clínica que permitem gerar prontuários eletrônicos e controlar informações de gerenciamento das atividades, bem como os sistemas de gestão de escala.

Na gestão de escalas, é possível resolver problemas de buracos nas agendas dos pacientes, trocas de turnos, jornadas de trabalho e muito mais. Os médicos se beneficiam ao poderem gerenciar as agendas pessoais junto com agendas de trabalho, conseguindo cobrir espaços vagos nas escalas das clínicas.

Essa é uma tendência de software para clínicas médicas com eficiência na evolução de processos. Se você busca uma gestão de escalas simplificada e bem estruturada, conheça o GoShift. A solução da RedFox está pronta para atender as suas demandas e resolver os gargalos da sua instituição médica!

Planilha para gestão de escalas

Tudo o que você precisa saber sobre a gestão de escala 12×36 em hospitais e clínicas

escala 12x36

A escala 12×36 é uma das principais jornadas utilizadas em hospitais e centros médicos no Brasil. O formato permite que o funcionário trabalhe 12 horas e descanse nas 36 horas posteriores ao expediente.

Em 2017, houve mudanças na lei trabalhista por causa de uma reforma que analisou as condições de trabalho na jornada, que costuma levantar controvérsias e questionamentos. A dificuldade na gestão de escala e a qualidade de vida dos funcionários estão entre os principais problemas dentro do modelo.

Separamos a seguir tudo o que você precisa saber sobre a escala 12×36 em hospitais e clínicas. Confira!

A reforma trabalhista de 2017

Com a reforma trabalhista, a escala 12×36 teve uma grande vitória: passou a ser reconhecida para todos os profissionais, junto com outros modelos de jornada. No contexto geral, as novas regras da CLT permitiram que a escala pudesse ser usada em qualquer categoria, com as devidas atenções, a partir do artigo 59-A.

O Ministério do Trabalho incluiu algumas exigências para a aplicação da jornada, entre elas:

  • A jornada deve ser estabelecida em comum acordo entre a equipe, com convenção coletiva e acordo individual de trabalho;
  • Intervalo de almoço e descanso de pelo menos 1 hora ou, na falta desta, conferindo-se hora extra com adicionais;
  • Remuneração em dobro nos feriados;
  • Atenção aos limites semanais para cada categoria, de acordo com a legislação;
  • Controle da jornada pela empresa.

O não cumprimento dessas regras acarreta em autuação e imposição de multas por infração da CLT.

Os desafios da escala 12×36

Na escala 12×36, existe rotatividade frequente das escalas de trabalho. O controle da jornada, então, passa a ser um grande desafio para os gestores, que precisam estar atentos para que todos cumpram a carga horária, garantindo também bons resultados com o faturamento hospitalar.

Como descreve a lei na reforma trabalhista, o controle do expediente precisa ser feito pela própria instituição. Por isso, os hospitais e clínicas precisam ter um sistema eficaz para evitar que qualquer item do artigo 59-A seja descumprido.

O trabalhador encontra nas novas regras a vantagem de poder montar o próprio expediente em comum acordo com a empresa, desde que respeitando a carga horária limite. O contexto se pauta na qualidade de vida dos funcionários, ainda mais se levar em conta radiologistas e funcionários que trabalham em ambientes de risco.

Houve uma flexibilização da jornada, mas isso não impede o funcionário de cumprir as obrigações. Se as empresas precisam controlar as escalas, as taxas de absenteísmo também precisam ser verificadas.

Organizar os horários para que cada turno seja preenchido, em um contexto em que cada funcionário pode ter uma jornada diferente, já é uma tarefa que precisa de atenção. Ter que remanejar horários para cobrir faltas se torna uma missão ainda mais desafiadora.

Por isso, as instituições médicas precisam se organizar para ter um sistema de gestão eficiente. Diante do evidente processo de transformação digital na saúde, é preciso recorrer a ferramentas adequadas de gestão.

Como realizar o controle de escalas

Um sistema muito comum para realizar a gestão de escalas é o controle de ponto eletrônico, no qual os funcionários registram a biometria. Esse modelo funciona, mas deve-se levar em conta que o avanço da tecnologia vem trazendo opções cada vez mais atualizadas.

Muitas instituições passaram a adotar sistemas digitais para determinar as escalas de horários, que ajudam a controlar quem realizará determinado turno. Caso um funcionário não possa cumprir o plantão, ele pode avisar pela própria plataforma e enviar notificações ao líder, que consegue reorganizar a escala com mais rapidez. Dessa forma, evita-se buracos nas agendas.

Já o funcionário tem a liberdade de registrar o ponto por meio de dispositivos móveis, como smartphones e tablets, facilitando o processo. Cabe aos gestores encontrarem a melhor solução para organizar e controlar o fluxo das escalas 12×36.

Na RedFox Soluções Digitais, a solução indicada para a gestão de escalas é o GoShift, que traz uma variedade de funcionalidades para melhorar os resultados de faturamento nas instituições médicas, aumentar a quantidade de atendimentos e garantir um serviço de qualidade aos pacientes.

Saiba mais sobre o GoShift e veja por que ele é a solução ideal para o controle de escalas médicas!

Planilha para gestão de escalas

Saiba como o mau gerenciamento de escalas médicas pode afetar o faturamento hospitalar

faturamento hospitalar

O faturamento hospitalar depende de vários fatores, sendo o preenchimento adequado das vagas de consultas muito importante para gerar receitas.

A falta de controle nas agendas médicas pode causar uma série de problemas dentro do funcionamento padrão da instituição hospitalar, desde problemas na qualidade do serviço a buracos nos horários.

Confira a seguir por que você deve ficar atento contra o mau gerenciamento das escalas médicas para o faturamento hospitalar!

Cancelamentos de consultas

Se um médico não pode cumprir o atendimento de uma consulta agendada, seja por problemas pessoais ou qualquer outro imprevisto, o paciente precisa remarcar a consulta e o horário fica vago.

O pior é quando o paciente não é avisado e descobre a impossibilidade de ser atendido já no hospital, o que pode deixá-lo irritado o suficiente para procurar outra instituição de saúde. Nesses casos, busca-se uma solução para remediar o problema, como encaixe na agenda de outro médico, diminuindo a qualidade do atendimento pela correria.

O correto remanejamento a fim de evitar buracos na agenda precisa ser feito com o devido cuidado, evitando atrasos e cancelamentos de consultas. Dessa maneira, os riscos de perder receita pelos buracos nas agendas se tornam menores e é possível encontrar um médico substituto para o atendimento com mais facilidade.

Atendimento desqualificado

Não é só uma agenda apertada que pode diminuir a qualidade de uma consulta e impactar o faturamento hospitalar. Um grave erro na gestão hospitalar é o agendamento de consultas com médicos de pouco conhecimento sobre determinado sintoma ou doença.

A desqualificação no atendimento médico tende a frustar o paciente, que acaba por buscar outros centros clínicos para tratar o problema. A falta de fidelização dos clientes devido ao mau gerenciamento de escalas médicas, então, torna-se um dos problemas para aumentar o faturamento das receitas do hospital.

Indisponibilidade de exames

Outro problema para o quadro financeiro das instituições médicas é a indisponibilidade de profissionais para realizar exames. Quando um médico encaminha o paciente para os setores de exames, o correto é ter pessoal preparado para executar a tarefa. Mas nem sempre isso acontece.

Muitas vezes, o paciente precisa marcar um agendamento demorado, esperando até semanas para conseguir ser atendido. Com uma gestão de escalas eficiente, o hospital se assegura que conta com a quantidade adequada de profissionais, acelerando o processo com maior quantidade de agendas. Com isso, as finanças ganham um impulso e o fluxo de entrada de caixa da empresa sobe.

Falta de equipamentos disponíveis

Da mesma forma que o gerenciamento da quantidade de profissionais é importante, a disponibilidade de equipamentos também deve ser verificada. De nada adianta ter uma equipe preparada para realizar exames e consultas se o hospital não tiver equipamentos adequados para o atendimento.

Nesse caso, os custos do hospital são ainda maiores, porque não só provocam buracos nas agendas como também gera despesas adicionais com a equipe, que eventualmente fica ociosa. Ter um controle dos equipamentos, então, é outro fator de influência na gestão de escalas para um bom faturamento hospitalar.

O mau gerenciamento da gestão de escalas pode ocorrer por diversos fatores, mas pode ser evitado pelo uso de sistemas adequados de controle das equipes. O GoShift é uma solução digital específica para solucionar os problemas de agendas, identificando os gargalos para readequar horários.

Entre em contato com a RedFox e saiba mais sobre essa e outras soluções para a transformação digital da sua instituição de saúde!

Planilha para gestão de escalas

O que é Venture Innovation? Inovando no mercado de soluções digitais

A união de empresas na busca por um objetivo é uma prática muito comum. Muitas vezes, essa parceria se dá em forma de investimentos de negócios ou na fusão das envolvidas para formar um negócio maior, o que define uma Joint Venture. Só que um novo conceito de união chegou ao mundo do empreendedorismo. Você já ouviu falar em Venture Innovation?

Se levarmos em conta que a inovação é a grande tendência entre os negócios da atualidade, faz sentido buscar estratégias para surpreender o mercado.

Inovar virou sinônimo de destaque, de modernidade e competitividade. Não basta ter qualidade para se tornar referência, é necessário participar do processo de disrupção, do processo de quebra e mudança dos padrões.

E é nesse contexto que surge a Venture Innovation. O termo se refere à união de duas ou mais empresas que desejam inovar em determinada área, criando um produto para trazer sentido totalmente novo aos processos.

Em outras palavras, essa parceria busca desenvolver novas estratégias para resolver um problema em aberto no setor. A Venture Innovation acontece a partir da necessidade de preencher uma lacuna no mercado, que é resolvida através de soluções digitais inovadoras. Mas como surge uma Venture Innovation?

Os tipos de Venture Innovation

Para levar um produto ao mercado por Venture Innovation, existem vários contextos em que duas empresas podem se unir. A diferença está no momento em que acontece a parceria, que pode ser desde o desenvolvimento da ideia até o momento de apresentar o produto ao mercado.

Confira as diferenças a seguir!

Parceria para solucionar o problema da contratante

O caso de maior interação ocorre quando as empresas trabalham juntas desde o começo, unindo-se para identificar uma dificuldade do setor em questão. Nesta vertente, o produto é a uma necessidade da própria empresa contratante, que concorda em levá-lo para o mercado.

Quando a contratante possui um problema, seja operacional ou estratégico, ela o apresenta à desenvolvedora parceira e ambas pensam juntas em criar uma solução transformadora para resolver tais problemas. Muitas vezes, o mesmo problema dessa empresa é também uma dor do mercado em geral ou do segmento de atuação desta.

Mesmo que o objetivo inicial seja para uso de uma das empresas parceiras, fica pré-combinado – ou pode ser determinado posteriormente – que o produto será disponibilizado para venda ao mercado, com participações societárias igualitárias entre as empresas. No final, temos uma nova solução de mercado que pode virar uma startup/empresa através do spin off.

Parceria para identificar um problema do mercado

As empresas também podem iniciar uma Venture Innovation exclusivamente pensando em levar um produto para o mercado, encontrando uma questão que precise de solução. Elas unem esforços durante todo o projeto para surpreender os processos de um setor, apostando em inovação e disrupção.

Parceria para desenvolver o projeto

Uma empresa pode identificar um problema de mercado de forma independente e, a partir de então, buscar um parceiro para desenvolver o projeto. O investimento financeiro e a fusão de conhecimentos são alguns motivos que justificam a necessidade de encontrar uma parceria para a solução.

Parceria para lançar a solução no mercado

Por fim, uma empresa pode analisar o mercado de forma independente para identificar uma dificuldade, tendo sozinha a ideia da solução e trabalhando por conta no desenvolvimento. Só quando o produto está praticamente pronto é que ela busca uma parceria para realizar o lançamento.

A segunda empresa terá relevância no projeto por vários fatores, como, por exemplo, ao ter maior renome no mercado ou maior influência frente ao público-alvo.

Quer ver um exemplo na prática de Venture Innovation? A RedFox e a Irko se uniram para desenvolver o KPBoard, uma solução digital que resolve problemas do setor contábil e agrega valor aos serviços. Saiba mais sobre essa e outras soluções transformadoras da RedFox!